A Turquia Resistirá à Tempestade do Médio Oriente?

ISTAMBUL – Um ciclo de violência terrível ocupou grande parte do Médio Oriente. O seu centro transferiu-se do Iraque (onde a tensão sectária escalou recentemente outra vez) para a Síria, mas envolve também o Egipto, o Iémen, a Líbia, e a Tunísia. Mais a leste, o Afeganistão sofre a sua segunda década de conflito violento, enquanto o Paquistão parece estar cronicamente à beira da guerra, da guerra civil, ou da desagregação social.

A ameaça subjacente mais preocupante reside no aumento dos confrontos entre Muçulmanos Sunitas e Xiitas. Do mesmo modo, os conservadores religiosos e a juventude secular liberal e esquerdista, que uniram esforços no Cairo e em Tunes em 2010-2011 para desafiar os ditadores, viraram-se agora uns contra os outros: vejam-se os recentes e terríveis massacres dos manifestantes Islamitas por forças de segurança Egípcias no Cairo, que se seguiram a um golpe militar perpetrado com o apoio dos liberais. Os povos da região estão a deslizar para campos inimigos, aprofundando as feridas das suas sociedades no processo.

Tenho defendido frequentemente que a Turquia não deveria intervir nos assuntos internos dos seus vizinhos, nem adoptar uma política centrada no Médio Oriente. Tanto o governo como a oposição deveriam permanecer firmemente centrados na Europa, apesar dos obstáculos colocados pela União Europeia no caminho da Turquia durante as negociações de adesão.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/6nuxefh/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.