Dean Rohrer

O crepúsculo democrático da Turquia

CAMBRIDGE - Quando questionado, recentemente, acerca de um professor de direito constitucional que foi preso por lecionar num instituto administrado pelo principal partido político pró-curdo do país, o ministro do Interior da Turquia, Idris Naim Sahin, não conseguiu esconder a sua irritação: "Estou a ter muita dificuldade em compreender aqueles que dizem que um professor não deveria ser preso, ao mesmo tempo que outros milhares de pessoas estão a ser detidos na Turquia.".

Provavelmente, Sahin quis dizer que um professor não pode invocar tratamento especial perante a lei. Mas o seu comentário realçou, inadvertidamente, a nova realidade na Turquia, onde qualquer opositor do regime atual pode ser encarcerado, com ou sem provas, por terrorismo ou outros atos violentos.

Tribunais especiais, encarregues de julgar atos terroristas e crimes contra o Estado, têm efetuado muitas horas extraordinárias para apresentarem acusações oficiais que, na maioria dos casos, tanto têm de absurdo como de infundado. Por exemplo, alguns jornalistas foram presos por produzirem artigos e livros a mando de uma alegada organização terrorista denominada “Ergenekon”, cuja existência ainda está por confirmar, apesar de vários anos de investigação.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/THYETCI/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.