Skip to main content

rainsy2_XinhuaLiLayviaGettyImages_cambodianpresidentbuildingcollapse Xinhua/Li Lay via Getty Images

O Camboja está a complicar a guerra comercial de Trump

PARIS – O Departamento de Segurança Interna dos EUA multou várias empresas por evasão às tarifas do presidente Donald Trump sobre as importações oriundas da China, redireccionando-as pela Zona Económica Especial de Sihanoukville, no Camboja. A ZEES, detida pela China, sublinha o modo como o Camboja, agindo como colónia corrupta e alinhada com a China, ameaça a aplicação das tarifas de Trump e, de modo mais genérico, os interesses dos EUA na região.

A China é o maior doador assistencial, investidor e credor do Camboja, e Sihanoukville – o único porto de águas profundas do Camboja, e que movimenta 70% do comércio do país – é o primeiro elo na cadeia do colossal projecto transnacional de investimento em infra-estruturas, a Iniciativa do Cinturão e da Rota. Mas longe de estar a enriquecer com os investimentos da ICR, o Camboja está a ser esmagado por eles.

As empresas chinesas que exercem actividade na ZEES compram e vendem entre si, o que significa que as pessoas locais não recebem nada da riqueza que trazem ao Camboja. Pelo contrário, as condições de vida para os Cambojanos numa Sihanoukville em crescimento acelerado estão a deteriorar-se rapidamente, devido à falta de um eficaz planeamento do território e de investimentos centrados na comunidade.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/UOXfOfM/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions