WB headquarters DC Brooks Kraft

Trump, o multilateralista relutante

FLORENÇA – Donald Trump não assumiu a presidência dos EUA como um multilateralista convicto. Com isto, concordam representantes de todos os quadrantes políticos. Entre as suas declarações de campanha mais controversas incluíam-se sugestões de que a OTAN era obsoleta, uma posição que pressagia o pior quanto à sua atitude com outras organizações e alianças multilaterais.

Na semana passada, porém, Trump recuou, tranquilizando uma plateia no Comando Central dos EUA em Tampa, na Florida (o quartel-general para as forças dos EUA que operam no Médio Oriente). “Apoiamos veementemente a OTAN”, declarou, explicando que a sua “questão” com a Aliança tinha a ver com as plenas e adequadas contribuições financeiras de todos os membros, e não com disposições fundamentais de segurança.

Esta opinião mais flexível reflete um novo reconhecimento, que poderá advir das reuniões de segurança ou do facto de estar a ocupar a Sala Oval, de que o mundo é um lugar perigoso. Até mesmo um presidente empenhado em pôr a “América em primeiro” parece reconhecer que um modelo através do qual os países possam satisfazer objectivos partilhados não é uma coisa má.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/Z9Rjwju/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.