Felixstowe UK Peter Macdiarmid/Getty Images

Verdades comerciais para apoiantes de Trump e do Brexit

LONDRES – Eis um banho de realidade para os decisores Britânicos e Americanos, e para os inúmeros especialistas que frequentemente comentam sobre o comércio internacional sem compreenderem as suas realidades: os dados relativos às exportações e importações totais da Alemanha em 2016 indicam que o seu maior parceiro comercial é agora a China. A França e os Estados Unidos foram empurrados para o segundo e terceiro lugares.

Esta notícia não deveria surpreender. Já por várias vezes referi que, em 2020, as empresas (e os decisores) da Alemanha poderão preferir uma união monetária com a China em vez de uma união monetária com a França, dado que o comércio entre a Alemanha e a China continuaria provavelmente a crescer.

E foi o que aconteceu, principalmente devido às exportações chinesas para a Alemanha. Mas as exportações alemãs para a China também têm aumentado. Apesar de um abrandamento recente, a Alemanha poderá em breve exportar mais para a China do que para a sua vizinha e parceira França, e já exporta para a China mais do que exporta para Itália. Para os exportadores alemães, a França e o Reino Unido são os únicos mercados nacionais Europeus maiores do que a China.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/NR2xObb/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.