0

A batalha contra a SIDA que a África do Sul pode vencer

ERFURT – No que diz respeito ao combate ao VIH/SIDA, a África do Sul foi, durante muitos anos, o exemplo perfeito daquilo que não se deve fazer. Até há pouco tempo, a resposta do governo à epidemia, que ameaçava a própria força vital do país, era medíocre e irrealista. Mas a crescente pressão que se fez sentir durante as duas últimas décadas - por parte de grupos da sociedade civil, de órgãos de comunicação social e de políticos mais esclarecidos - está finalmente a mostrar resultados. A doença, que causou um profundo sofrimento a nível económico e social e que reduziu drasticamente a esperança de vida, parece estar a regredir.

Contudo, um novo relatório das Nações Unidas sugere que a batalha da África do Sul contra o vírus está longe de ter terminado. O país regista o problema mais grave de VIH a nível mundial. Actualmente, cerca de 5,6 milhões de cidadãos - mais de 10% da população - estão infectados com o vírus. Todos os anos registam-se cerca de 300.000 novos casos de infecção e 270 mil mortes relacionadas com a SIDA. As pessoas infectadas com o VIH/SIDA poderão vir a contrair outras infecções: estima-se que cerca de 70% dos sul-africanos infectados com o vírus da SIDA também contraem tuberculose e calcula-se que, ao longo da vida, metade das pessoas portadoras do VIH venha a contrair tuberculose. Pior ainda, um terço das mulheres grávidas - uma percentagem demográfica extremamente susceptível à contracção da SIDA - foram diagnosticadas com o vírus, que pode ser transmitido aos seus bebés durante o parto.

Erdogan

Whither Turkey?

Sinan Ülgen engages the views of Carl Bildt, Dani Rodrik, Marietje Schaake, and others on the future of one of the world’s most strategically important countries in the aftermath of July’s failed coup.

A atrocidade da doença e o ritmo a que se propagou, apanhou muitos sul-africanos de surpresa. À semelhança do que sucedeu nos países desenvolvidos, as infecções por VIH concentravam-se inicialmente nos grupos de hemofílicos, homossexuais sexualmente activos e consumidores de droga por via intravenosa. Porém, durante a década de 1990, e por razões que ainda não são totalmente compreendidas, o vírus proliferou de forma explosiva entre a população em geral. O número de sul-africanos infectados (equivalente à população da Dinamarca) é superior ao do conjunto dos países vizinhos: Moçambique, Lesoto, Botsuana, Namíbia, Suazilândia e Zimbábue.

No entanto, por incrível que pareça, a rápida propagação do VIH e o número crescente de mortes relacionadas com a SIDA não conseguiram mobilizar os líderes sul-africanos do pós-apartheid, especialmente o antigo Presidente Thabo Mbeki, no sentido de levar a cabo medidas significativas. Durante anos, a estrutura superior do Congresso Nacional Africano pareceu adoptar uma atitude de negação quanto à extensão do VIH/SIDA e à melhor forma de o combater.

As organizações da sociedade civil adoptaram uma atitude menos complacente, recorrendo aos tribunais, aos órgãos de comunicação social e à desobediência civil como forma de exercer pressão no sentido da mudança. Embora tenham persistido opiniões contraditórias sobre a forma de tratar o VIH, ao menos a terapêutica anti-retrovírica passou a estar disponível em alguns serviços públicos, nos últimos dez anos. Contudo, em 2009, desenvolveu-se uma abordagem mais coerente e consistente, resultante da nomeação de Aaron Motsoaledi como Ministro da Saúde.

O Departamento Nacional de Saúde Sul-Africano e as entidades privadas prestadoras de cuidados de saúde afirmam agora que a situação já não é tão gritante. A adopção de três tipos de abordagens ajudou a conter a propagação da doença: a disponibilização de terapêutica anti-retrovírica por parte do governo e de agências doadoras; melhor tratamento dos doentes com tuberculose, que tendem a contrair também a infecção do VIH/ SIDA, e um programa bastante amplo em matéria de prevenção da transmissão da doença de mãe para filho.

Estas medidas contribuíram para reduzir a taxa de novas infecções (embora o número total de pessoas infectadas com o HIV, especialmente entre os 15 e os 49 anos, continue a aumentar). Actualmente, cerca de dois milhões de doentes recebem tratamento anti-retrovírico e, desde 2005, o número anual de mortes associadas à SIDA registou uma descida de cerca de 100.000 casos. O contágio de recém-nascidos, que antes rondava os 70.000 casos por ano, registou uma redução de cerca de 63% e a vida de milhões de pessoas infectadas com o VIH/SIDA foi prolongada.

Outro contributo importante foi o facto de ter havido uma melhor integração dos planos de tratamento. O governo alinhou os programas iniciais de tratamento anti-retrovírico para portadores da doença, iniciados em 2008, com os programas de rastreio para mulheres grávidas. A existência de novos tratamentos, mais eficazes na prevenção da tuberculose, especialmente no que diz respeito às estirpes multirresistentes, também contribuiu para melhorar a situação.

É possível - e imperioso - fazer mais. Por exemplo, é possível reduzir ainda mais as infecções de recém-nascidos, incentivando um número maior de mulheres grávidas a dirigirem-se aos centros de saúde para efectuar um rastreio precoce e exames médicos após o parto.

Support Project Syndicate’s mission

Project Syndicate needs your help to provide readers everywhere equal access to the ideas and debates shaping their lives.

Learn more

No entanto, devemos reconhecer, ou mesmo celebrar, os progressos realizados até ao momento. As conquistas recentes demonstram que, desde que haja vontade política e recursos suficientes, até mesmo o maior dos flagelos poderá ser derrotado – trata-se de uma lição não só para a África do Sul, mas também para outros países africanos e para o mundo em desenvolvimento.

Tradução: Teresa Bettencourt