Mujahid Safodien/AFP/Getty Images

Três Soluções para uma Nova África do Sul

JOANESBURGO – Jacob Zuma renunciou à presidência da África do Sul - um passo inevitável após o Congresso Nacional Africano ter retirado o seu apoio. Duas décadas após Nelson Mandela ter tentado – sem sucesso - passar a presidência a Cyril Ramaphosa, o antigo vice-presidente e actual líder do Congresso Nacional Africano tornou-se o líder da África do Sul. E os desafios que Ramaphosa terá de enfrentar são quase tão desafiadores quanto aqueles com que Mandela se viu confrontado ao erguer o seu país das ruínas do apartheid.

Há quase um quarto de século, quatro anos após Mandela ter sido libertado da prisão, os sul-africanos celebraram o nascimento de um Estado constitucional inclusivo. No entanto, durante o mandato de Zuma a euforia desvaneceu. Num ambiente de alegações de corrupção endémica, reduções das notações de risco, actos de incivilidade empresarial e agravamento do mal-estar entre empresas estatais (EE), o posicionamento regional e internacional da África do Sul enfraqueceu.

Para muitos, Ramaphosa significa um regresso à força nacional. O líder prometeu restaurar a credibilidade da gestão dos assuntos da África do Sul e revigorar os valores da inclusão democrática. As suas atitudes simples, como começar reuniões e encontros a horas, representam um distanciamento da abordagem mais indiferente de Zuma.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/qqqoi8k/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.