A luta egípcia e para lá dela

LONDRES – Os acontecimentos que levaram os militares do Egipto a destituir o Presidente Mohamed Morsi confrontaram o exército com uma escolha simples: a intervenção ou o caos. Dezassete milhões de pessoas na rua não são a mesma coisa do que umas eleições. Mas é uma manifestação incrível de poder do povo.

A Irmandade Muçulmana de Morsi foi incapaz de deixar de ser um movimento de oposição para ser um partido do governo. É claro que os governos governam mal, bem ou assim-assim. Mas isto é diferente. A economia do Egipto está a cair a pique. A lei e a ordem praticamente desapareceram. Os serviços não estão a funcionar correctamente.

Cada ministro fez o seu melhor. Há poucas semanas, conheci o ministro do Turismo, alguém que eu achava ser excelente e que tinha um plano sensato para revitalizar o sector. Poucos dias depois, ele renunciou, depois de Morsi ter tomado a medida assombrosa de nomear como governador da província de Luxor (um destino turístico chave) alguém que estava afiliado com o grupo responsável pelo ataque terrorista em 1997 - o pior da história do Egipto - onde mais de 60 turistas em Luxor foram mortos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/EhPzta5/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.