A China e o Sonho Americano

PARIS – A China poderá estar apenas a alguns anos de tornar-se a principal potência económica do mundo e a centralidade estratégica dos EUA poderá estar em declínio (de facto, actualmente ninguém se refere aos Estados Unidos como a "hiperpotência" mundial). Mas a América ainda faz as pessoas sonharem e a sua influência emocional no mundo continua a ser única.

Neste sentido, a semana passada trouxe duas vitórias: não apenas a de Barack Obama sobre o candidato republicano, Mitt Romney, nas eleições presidenciais, mas também a vitória do sistema democrático americano sobre o autoritarismo unipartidário da China. Algumas frases do discurso de vitória de Obama - o espaço de um momento mágico - foram dedicadas à celebração do "mistério da democracia" de forma muito concreta, mas também de um modo quase religioso.

Obama encontrou as palavras certas para prestar homenagem à multidão de cidadãos anónimos que andava de porta em porta a convencer os seus concidadãos americanos a votarem nos seus candidatos preferidos. Obama estava a descrever a democracia no seu melhor, naquilo que de mais nobre tem, tal como deveria ser, mas nem sempre é: homens e mulheres livremente mobilizados, capazes de e dispostos a mudar o rumo do seu destino.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/N4tjIDB/pt;