O Ponto de Viragem do Paquistão

LAHORE – O momento da verdade política do Paquistão aproxima-se rapidamente. A 11 de Maio, entre 40 a 50 milhões de votantes elegerão uma nova assembleia nacional. O resultado, precedido por um aumento na violência extremista, terá quase certamente repercussões importantes.

Os grupos terroristas locais do Paquistão sabem que o país se encontra num ponto de viragem, e estão a atacar candidatos e votantes favoráveis a um estado secular. Centenas de pessoas foram já mortas, e sem dúvida mais irão morrer até ao Dia das Eleições, sendo perseguidas porque, se estes grupos prevalecerem, levariam o que é chamado por vezes de “ideia do Paquistão” até à sua conclusão lógica – e extrema.

Há cerca de 70 anos, Muhammad Ali Jinnah, o pai fundador do Paquistão, lançou o movimento para criar um estado independente para os Muçulmanos da Índia Britânica. A administração colonial Britânica acabou por consentir, criando um país fora das áreas de maioria Muçulmana. A população do que é agora o Paquistão era perto de dois terços Muçulmana; o restante era maioritariamente Hindu e Sikh.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/E67uWnA/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.