O Grande Mal da Economia

BERKELEY – Em toda a região do Atlântico Norte, os bancos centrais e os governos parecem ser incapazes, na maior parte dos casos, de recuperar as condições de pleno emprego nas suas economias. A Europa caiu novamente numa situação de recessão, sem nunca ter recuperando verdadeiramente da crise financeira/da dívida soberana que teve início em 2008. Actualmente, a economia dos Estados Unidos apresenta um crescimento de 1,5% ao ano (cerca de um ponto percentual a menos do que o potencial) e o ritmo do crescimento poderá abrandar, devido a uma pequena contracção orçamental este ano.

A economias dos mercados industriais têm vindo a sofrer de crises financeiras periódicas, seguidas por um aumento da taxa de desemprego, pelo menos desde o Pânico de 1825, que quase afundou Banco de Inglaterra. Situações destas são negativas para todos - para os trabalhadores que perdem os seus empregos, para os empresários e detentores de capital que perdem os seus lucros, para os governos que perdem a sua receita fiscal e para os obrigacionistas que sofrem as consequências da falência - e tivemos cerca de dois séculos para descobrir como resolver estas situações. Se assim é, por que razão não conseguiram os governos e os bancos centrais resolvê-las?

Há três razões que poderão estar na base da incapacidade das autoridades para recuperar rapidamente o pleno emprego na sequência de uma recessão. A primeira reside no facto de as expectativas de inflação deixarem de estar ancoradas e na existência de dificuldades estruturais que podem implicar que os esforços para estimular a procura se façam sentir quase inteiramente num crescimento mais rápido dos preços e apenas minimamente no aumento da taxa de emprego. Era este o problema na década de 1970, mas não o é actualmente.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/CIoUEEO/pt;