O ADN 60 Anos Depois

LONDRES – No dia 25 de Abril de 1953, Francis Crick e James Watson publicaram um trabalho de apenas uma página que, na opinião de muitas pessoas, iria revolucionar a investigação biológica. Com base no trabalho de Rosalind Franklin e Maurice Wilkins, descobriram a estrutura de dupla-hélice do ADN, fornecendo o primeiro vislumbre relativamente à forma como os organismos herdam e armazenam as informações biológicas. Mas, 60 anos passados, será que a sua descoberta teve realmente o impacto transformador que o mundo esperava?

Os órgãos de comunicação social assinalaram o 60º aniversário da publicação com grande alarde, aclamando a descoberta que "inaugurou a era da genética" e designando-a como "uma das mais importantes descobertas científicas de todos os tempos." O jornal britânico The Guardian apresentou o título: "Muitos Parabéns, ADN! O momento de ouro que nos mudou a todos. "

Até certo ponto, estão certos. A descoberta constitui a base da genética e abriu áreas de investigação novas e promissoras, como a biologia sintética, através da qual se criam ou modificam sistemas biológicos para desempenhar funções específicas. Facilitou também importantes inovações, tais como o tratamento farmacogenético do cancro, através do qual os medicamentos têm por alvo defeitos genéticos específicos dentro das células cancerosas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/GONBW7p/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.