O Triunfo da Política na Europa

MADRID - A Economia, especialmente as teorias económicas, acabam sempre por ceder aos imperativos políticos. É por isso que a rápida transformação do quadro político europeu, modificado por revoltas eleitorais em França e na Grécia contra a austeridade fiscal apoiada pela Alemanha, está destinada a afectar as políticas económicas da Europa também.

Este imperativo tem estado em acção ao longo de toda a história do pós-guerra da Europa. Na verdade, a própria transformação da Europa, que passou de uma modesta união aduaneira da Comunidade Económica Europeia ao mercado único e moeda comum que constituem a actual União Monetária Europeia, constituiu uma manobra fundamentalmente política, com implicações estratégicas, evidentemente. A França quis domar o poder alemão associando-o ao projecto europeu e a Alemanha estava preparada para sacrificar o Marco alemão para que a França aceitasse uma Alemanha unida, o pesadelo do passado recente da Europa.

É, sem dúvida, vital para o projecto europeu que a Alemanha esteja economicamente forte, nem que seja porque a história já demonstrou os perigos subjacentes a uma Alemanha descontente. Na verdade, foi graças ao euro - e ao mercado cativo europeu que o acompanha - que a Alemanha se tornou no segundo principal país exportador do mundo (foi ultrapassada pela China em 2009).

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/J358Y01/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.