O Novo Obama

NOVA IORQUE – Após o segundo debate entre o presidente dos EUA, Barack Obama, e seu adversário republicano, Mitt Romney, os apoiantes de Obama proclamaram, quase em uníssono: "Ele está de volta!" O candidato com ar abatido, distante e sem brilho do primeiro debate desaparecera, dando novamente lugar ao homem impressionante e estimado da campanha vitoriosa de 2008. Como afirmou o comentador Andrew Sullivan, "vi a pessoa que tinha visto da primeira vez ... Vi o presidente que pensava conhecer."

A meu ver, no entanto, o antigo Obama não estava de volta. Foi um novo Obama que apareceu. O antigo Obama era jovem, cativante, elegante e cheio de esperança. A sua conduta era firme e, no entanto, descontraída. A sua retórica era empolgante. O seu sorriso era capaz de iluminar um estádio.

O Obama que apareceu no segundo debate - e no terceiro - apresentava-se mais intransigente, mais frio, mais triste e mais sombrio. Havia tensão nas linhas em torno da sua boca. O seu discurso era titubeante, como se estivesse sempre a controlar-se rigorosamente. A sua retórica não empolgava, não conseguia ser empolgante. Os sorrisos eram raros e contidos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/ZYXlipc/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.