O Fim da Festa dos Mercados Emergentes

CAMBRIDGE – O entusiasmo pelos mercados emergentes evaporou-se durante este ano, e não apenas por causa dos cortes de compras em larga escala de activos, planeados pela Reserva Federal dos EUA. As acções e obrigações dos mercados emergentes estão este ano em baixa e o seu crescimento económico está a abrandar. Para vermos porquê, é útil entender como chegámos aqui.

Entre 2003 e 2011, o crescimento cumulativo do PIB a preços correntes foi de 35% nos Estados Unidos, e de 32%, 36%, e 49%, na Grã-Bretanha, Japão, e Alemanha, respectivamente, medidos em dólares americanos. No mesmo período, o PIB nominal disparou em 348% no Brasil, 346% na China, 331% na Rússia, e 203% na Índia, também em dólares americanos.

E não foram apenas os chamados países BRIC que se expandiram. A produção do Cazaquistão expandiu-se em mais de 500%, enquanto a Indonésia, a Nigéria, a Etiópia, o Ruanda, a Ucrânia, o Chile, a Colômbia, a Roménia, e o Vietname cresceram mais de 200% cada um. Isto significa que as vendas médias, medidas em dólares americanos, realizadas por supermercados, companhias de bebidas, grandes armazéns, operadores de telecomunicações, lojas de computadores, e vendedores de motociclos Chineses cresceram nestes países a taxas similares. Faz sentido que as empresas migrem para onde as vendas em dólares estão a expandir, e que os gestores de activos invistam o seu dinheiro onde o crescimento do PIB medido em dólares é mais rápido.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/MwSBU7f/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.