O novo desafio mercantilista

CAMBRIDGE – a história da economia é, em grande parte, uma luta entre duas escolas de pensamento opostas, o “liberalismo” e o “mercantilismo”. O liberalismo económico, com a sua ênfase no empreendedorismo privado e nos mercados livres, é a doutrina dominante dos nossos dias. Mas a sua vitória intelectual cegou-nos para a grande atracção – e sucesso frequente - das práticas mercantilistas. Na verdade, o mercantilismo permanece vivo e bem de saúde e o seu conflito contínuo com o liberalismo é susceptível de ser uma força importante na formação do futuro da economia mundial.

Hoje, o mercantilismo é normalmente descartado como sendo um conjunto de ideias arcaicas e ostensivamente erróneas sobre a política económica. E, no seu apogeu, os mercantilistas defenderam certamente algumas ideias muito estranhas, entre as quais liderava a opinião de que a política nacional deveria ser orientada pela acumulação de metais preciosos – ouro e prata.

O Tratado de 1776 de Adam Smith A riqueza das Nações, demoliu de forma magistral muitas destas ideias. Smith mostrou, em particular, que o dinheiro não deve ser confundido com riqueza. Tal como ele disse, “a riqueza de um país não consiste somente no seu ouro e prata, mas nas suas terras, casas e bens de consumo de todos os tipos”.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/CbdfA1x/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.