Para Que Servem os Economistas?

CAMBRIDGE – Quando há muita coisa em jogo, não é de admirar que os adversários políticos utilizem todo o apoio que possam obter de economistas e outros investigadores. Foi o que aconteceu quando os políticos conservadores norte-americanos e os responsáveis da União Europeia se basearam no trabalho de dois professores de Harvard - Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff - para justificar o facto de apoiarem a austeridade orçamental.

Reinhart e Rogoff publicaram um documento que parecia demonstrar que se os níveis de dívida pública fossem superiores a 90% do PIB, constituiriam um entrave significativo ao crescimento económico. Seguidamente, três economistas da Universidade de Massachusetts, em Amherst, fizeram o que os académicos devem habitualmente fazer - replicaram o trabalho dos seus colegas e submeteram-no à crítica.

A par de um erro relativamente pequeno de folha de cálculo, identificaram algumas escolhas metodológicas no trabalho original de Reinhart / Rogoff que colocaram em questão a firmeza dos seus resultados. Mais importante, mesmo que os níveis da dívida e de crescimento se mantivessem negativamente relacionados, a evidência de um limite de 90% revelou-se bastante fraca. E, na opinião de muitos, a própria relação poderia ser o resultado de um crescimento reduzido que conduziu a um maior nível de endividamento, ao invés do contrário.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/4qgKCw9/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.