Depois de Ahmadinejad

WASHINGTON, DC – O sucessor preferido pelo Presidente Iraniano Mahmoud Ahmadinejad, Esfandiar Rahim Mashai, não concorrerá na eleição de 14 de Junho. Nem o antigo Presidente Akbar Hashemi Rafsanjani. A desqualificação de ambos envia uma forte mensagem do Líder Supremo, o Aiatola Ali Hosseini Khamenei. Dito de uma forma simples, Khamenei não tolerará qualquer diminuição do seu poder, e está decidido a evitar o tipo de fricção que caracterizou as suas relações com anteriores presidentes, especialmente com Ahmadinejad.

A desqualificação de Mashai e Rafsanjani revela, mais uma vez, o cisma incrustado no coração da estrutura política Iraniana pelo executivo dual do Líder Supremo e do Presidente. Quando Khamenei apoiou publicamente a controversa reeleição de Ahmadinejad em 2009, ninguém poderia prever as tensões sem precedentes que acabariam por emergir entre as duas principais autoridades do país.

Mas o apoio a Ahmadinejad revelou-se uma decisão onerosa para Khamenei – e para a República Islâmica. Em vez de se alinhar com Khamenei, como esperado, Ahmadinejad passou a promover uma agenda nacionalista e anti-clerical, na prática usando os recursos de Khamenei para desafiar a autoridade do líder supremo e para estabelecer a sua própria rede económica e esfera de influência.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/LhYyzDG/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.