Responsáveis dos Bancos Centrais com os Pés na Terra

NOVA DELI – Os mercados estão outra vez em turbulência, após a indicação da Reserva Federal dos EUA (Fed) de que poderia reduzir as suas aquisições de obrigações até ao fim do ano. A intensidade da reacção do mercado foi surpreendente, pelo menos dado o saber adquirido relativo ao funcionamento da política de flexibilização quantitativa do Fed. Afinal, o Fed teve o cuidado de indicar que manteria a sua política de taxas de juro próximas de zero, e que não se iria desfazer das obrigações que detém.

A teoria dominante do funcionamento da flexibilização quantitativa é a abordagem do equilíbrio da carteira de activos. Essencialmente, ao adquirir obrigações a longo prazo do Tesouro provenientes das carteiras dos investidores privados, o Fed espera que estes investidores reequilibrem as suas carteiras. Como um activo com risco foi retirado e substituído por reservas seguras do banco central, a apetência pelo risco não satisfeita dos investidores crescerá, o preço de todos os activos com risco (incluindo as remanescentes obrigações do Tesouro detidas por privados) aumentará, e as taxas de rendibilidade das obrigações cairão.

Um elemento central da teoria reside no facto de que a reserva de obrigações removida pelo Fed das carteiras privadas, e não o fluxo das aquisições do Fed, será o que determina a apetência pelo risco por parte dos investidores. A menos que os investidores assumissem que o Fed adquiriria indefinidamente obrigações, as notícias sobre uma redução nas compras do Fed só deveriam provocar um efeito suave nas suas expectativas sobre a reserva eventual de obrigações detidas pelo Fed. Então, porque se verificou uma reacção tão violenta nos mercados mundiais?

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

Log in

http://prosyn.org/8UjIyl8/pt;