Os Testes de Esforço da Política Europeia

PRINCETON - Nos últimos anos, a União Europeia - ou, mais precisamente, os países poderosos da Europa do Norte - têm submetido os seus membros mais fracos a "testes de esforço" a nível social e político, em nome da disciplina orçamental. Como resultado, o Sul da Europa e algumas partes da Europa de Leste tornaram-se uma espécie de laboratório político, onde as experiências produzem uma surpreendentemente - e cada vez mais imprevisível - diversidade de resultados em diferentes países. Na última cimeira da UE, o Primeiro-Ministro do Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, sugeriu mesmo que o risco de uma "revolução social" não deveria ser excluído.

Embora seja pouco provável um desfecho deste género, é cada vez mais evidente que muitos países europeus - e que a UE como um todo – precisam de renegociar os seus contratos sociais básicos. Mas as elites europeias, preocupadas com soluções de curto prazo, não consideraram a necessidade, a longo prazo, de tais revisões - em seu próprio prejuízo.

De facto, apesar de existirem variações significativas em cada país, há uma tendência que se está a tornar cada vez mais evidente em toda a UE: os eleitores, independentemente da sua orientação política, estão a rejeitar, na primeira oportunidade, os líderes que implementam planos de austeridade. Mas, além desta extraordinária oposição à austeridade, as experiências dos países são bastante diversas.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/bywNkyBpt