Os Perigos da Profecia

BERKELEY – Nós, economistas ancorados na história económica e financeira, – e conscientes da história do pensamento económico relativo às crises financeiras e aos seus efeitos – temos motivos para estar orgulhosos das nossas análises nos últimos cinco anos. Entendemos para onde nos estávamos a dirigir, porque sabíamos onde tínhamos estado.

Em particular, entendemos que a subida rápida dos preços das casas, combinada com a extensão da alavancagem financeira, colocava perigos macroeconómicos. Reconhecemos que perdas provocadas pela especulação em activos detidos por instituições financeiras alavancadas causariam um voo de pânico para a segurança, e que a prevenção de uma depressão profunda requereria uma intervenção activa das entidades oficiais como prestamistas de último recurso.

Na verdade, entendemos que as curas monetaristas seriam provavelmente insuficientes; que os soberanos precisam de garantir a solvência uns dos outros; e que retirar apoios demasiado cedo implicaria perigos enormes. Soubemos que as tentativas prematuras para atingir o equilíbrio fiscal no longo prazo piorariam a crise no curto prazo – e seriam assim contraproducentes no longo prazo. E entendemos que enfrentávamos a ameaça de uma recuperação sem empregos, devido a factores cíclicos, e não a mudanças estruturais.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/kJOVHHL/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.