O primeiro mandato da doutrina Obama

ASPEN - As sondagens de opinião pública nos Estados Unidos indicam uma eleição presidencial renhida em Novembro. Enquanto o presidente Barack Obama está à frente do adversário republicano, Mitt Romney, na política externa, o crescimento económico lento e o desemprego elevado - questões que são muito mais pertinentes nas eleições norte-americanas - favorecem Romney. E, mesmo na política externa, os críticos de Obama queixam-se que ele não conseguiu implementar as iniciativas transformacionais que prometeu há quatro anos. Têm razão?

Obama chegou ao poder quando os EUA e a economia mundial estavam no meio da pior crise financeira desde a Grande Depressão. De facto, alguns dos conselheiros económicos de Obama avisaram-no que, caso não fossem tomadas medidas urgentes para estimular a economia, havia a probabilidade, de uma em três, de entrarem numa depressão em larga escala.

Deste modo, embora Obama tenha também herdado duas guerras em curso, as ameaças de proliferação nuclear do Irão e da Coreia do Norte e o problema contínuo do terrorismo da Al-Qaeda, os seus primeiros meses no cargo foram dedicados a tratar da crise económica no país e no exterior. Os seus esforços não foram um completo sucesso, mas ele conseguiu evitar o pior desfecho.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/UGtUado/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.