A Próxima Tarefa para os Novos Líderes da China

BEIJING – Numa viagem recente de estudo à China, organizada pelo Conselho Europeu para as Relações Externas, comecei por assumir que o maior desafio do país girava à volta da necessidade de promover o consumo interno, de modo a manter o rápido crescimento económico. No fim da viagem, emergira um complexo quadro de assertividade, incerteza, segurança e ansiedade Chinesas.

Embora iminente, o 18º Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC) está envolto em mistério. Mesmo estando presumivelmente marcado para Outubro, as datas exactas permanecem desconhecidas, o mesmo acontecendo a muitos dos procedimentos internos e das discussões preparatórias.

Durante grande parte deste ano, parecia haver uma certeza na próxima transição de liderança: o novo secretário-geral do PCC seria Xi Jinping, um homem cuja visão política poderia ser explicada em bem menos de 30 segundos. Mas o misterioso desaparecimento de Xi, ao sumir da vista pública durante quase duas semanas em Setembro – depois de cancelar abruptamente reuniões com a Secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton e com o primeiro-ministro de Singapura (ocorrências raras para uma liderança tão obcecada com o protocolo como a Chinesa) – gerou mais especulação. Também alimentou preocupações sobre se uma liderança tão fechada poderia governar eficazmente a segunda maior economia do mundo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/zqpeJCI/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.