América por Procuração?

PARIS – O desaparecimento do Império Romano resultou de uma combinação de presunção estratégica e de excessiva delegação das responsabilidades de segurança em recém-chegados. Sem fazer comparações indevidas, a questão actual para os Estados Unidos é se conseguem manter-se como a principal potência do mundo, ao mesmo tempo que delegam em outros ou em ferramentas tecnológicas a tarefa de proteger a sua influência global.

Veículos aéreos não tripulados (NdT: drones no original) e aliados – armas não-humanas e soldados não-Americanos – tornaram-se centrais para a doutrina militar da América. Liderando o mundo em capacidade tecnológica, ao mesmo tempo que o lidera nos bastidores em termos de forças de combate no solo, quando não no ar, a mudança de tónica da América é impossível de ignorar.

Primeiro, aconteceu a acção combinada de Franceses e Britânicos na Líbia que levou ao derrube do regime do Coronel Muammar el-Qaddafi; depois a intervenção Francesa no Mali, e agora os ataques aéreos Israelitas na Síria. Cada caso é, claro, completamente diferente, mas todos têm algo em comum: a América não esteve na linha da frente da intervenção. Porém, sem o apoio militar directo dos EUA ou o apoio político indirecto (e em alguns casos implícito), é difícil imaginar que tais operações arriscadas fossem lançadas. Ter-se-ão os Britânicos, Franceses, e mesmo os Israelitas, tornado extensões armadas dos EUA nas suas respectivas esferas de influência?

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/xRIoCNh/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.