Vidas versus lucros

NOVA IORQUE – O Supremo Tribunal dos Estados Unidos iniciou recentemente as deliberações num caso que dá destaque a uma questão profundamente problemática, relativa aos direitos de propriedade intelectual. O Tribunal deve responder à seguinte pergunta: Podem os genes humanos - os seus genes - ser patenteados? Por outras palavras, deveria alguém ter essencialmente permissão para possuir o direito de, digamos, testar se você tem um conjunto de genes que implica uma probabilidade superior a 50% de desenvolver cancro da mama?

Para aqueles que não fazem parte do mundo misterioso dos direitos de propriedade intelectual, a resposta parece óbvia: Não. Você é o proprietário dos seus genes. Uma empresa pode possuir, no máximo, a propriedade intelectual subjacente ao seu teste genético e, uma vez que a investigação e o desenvolvimento necessários para desenvolver o teste podem ter custado um montante considerável, a empresa pode cobrar devidamente para administrá-lo.

Mas uma empresa sediada no Utah, Myriad Genetics, reivindica mais do que isso. Reivindica possuir os direitos de qualquer teste para detectar a presença de dois genes críticos associados ao cancro da mama - e tem executado impiedosamente esse direito, embora o seu teste seja inferior ao que a Universidade Yale estava disposta a fornecer a um custo muito menor. As consequências têm sido trágicas: A realização de testes minuciosos, a preços acessíveis, que identificam pacientes de alto risco, salva vidas. Bloquear tal realização de testes custa vidas. A Myriad é um verdadeiro exemplo de uma empresa norte-americana para a qual os lucros superam todos os outros valores, incluindo o valor da própria vida humana.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/cEzpfEE/pt;