A Conduta Dolosa da Ciência?

WOLLERAU, SUÍÇA – Os órgãos de comunicação social têm relatado cada vez mais casos de fraude científica, plágio e escrita fantasma, criando a impressão de que a conduta fraudulenta se tornou num mal generalizado e omnipresente na investigação científica. Mas estas notícias representam mais um exemplo da forma como os órgãos de comunicação social se agarram a um tema "quente", do que propriamente uma descrição fiel da deterioração dos valores da ciência.

Longe de serem a prática habitual na investigação científica, as fraudes e as irregularidades são raras excepções e geralmente são rapidamente identificadas por outros cientistas. E o público parece entender este facto. Na verdade, a confiança na investigação científica não tem sido seriamente prejudicada por denúncias de conduta irregular. Por outro lado, estes raros incidentes também não têm reduzido o progresso científico, que é tão valioso para a humanidade.

De facto, por mais reduzido que seja o número de casos de conduta científica imprópria, é sempre excessivo. Os cientistas devem ser faróis de esperança na busca do conhecimento - e inteligentes o suficiente para não tentarem tirar partido de condutas fraudulentas. Existem mecanismos de prevenção para responsabilizar os poucos que arriscam esse tipo de procedimento. Mas, embora a comunidade científica - incluindo instituições académicas e profissionais, chefes das agências, directores e editores - se sinta muitas vezes relutantes em resolver de forma rigorosa os casos de conduta fraudulenta, é a reputação da ciência como um todo que está em jogo e não apenas a de uma pessoa, instituição, revista ou entidade nacional de ciência.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/uvkAcoH/pt;