Os Estados Árabes de Incerteza

MADRID – As revoluções que varreram o mundo árabe durante os últimos dois anos deixaram a descoberto a extraordinária fragilidade dos principais Estados árabes. Com a excepção de países históricos, como o Egipto ou Marrocos, a maioria dos Estados árabes são construções artificiais do colonialismo europeu, que agruparam tribos e etnias diferentes em Estados unitários, apenas capazes de se manter unidos sob um governo autoritário e perante um inimigo comum - o sionismo e seus patronos ocidentais.

A actual agitação, no entanto, já não é motivada pela revolta contra as forças estrangeiras, em vez disso, marca uma segunda fase do processo de descolonização: a afirmação do direito de autodeterminação dos povos e tribos unidos apenas pela força repressiva de um ditador. Na verdade, não é totalmente descabido que se preveja o surgimento de novos Estados árabes, nascidos a partir dos escombros dos antigos Estados artificiais. A invasão do Iraque por parte dos americanos estabeleceu o modelo, já que destruiu o poder do governo central e promoveu o poder de enclaves étnicos e religiosos.

O que aconteceu na Jugoslávia, um produto mal concebido da diplomacia de Wilson, poderia acontecer nas criações imperiais mais cínicas no Médio Oriente. O que Sigmund Freud definiu como "narcisismo das pequenas diferenças" levou à divisão da Jugoslávia em sete pequenos Estados (incluindo o Kosovo), na sequência do mais sangrento conflito que teve lugar na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Poderão os Estados árabes evitar um destino semelhante?

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/cC7AWIN/pt;