A única saída

TÓQUIO – O que é que os bancos centrais devem fazer quando os políticos parecem incapazes de agir? Até agora, eles têm estado dispostos a preencher a lacuna, encontrando novas formas, e cada vez mais menos convencionais, para tentarem influenciar o rumo das economias com dificuldades. Mas como é que podemos determinar o momento em que os bancos centrais ultrapassam os seus limites? Quando é que a ousadia passa a ser imprudência?

Os bancos centrais podem desempenhar um papel importante num período de recessão. Os cortes nas taxas de juro podem aumentar os empréstimos – e, por conseguinte, aumentar os gastos em investimentos e no consumo. Os bancos centrais também podem desempenhar um papel quando os mercados financeiros congelam. Ao oferecerem de livre vontade empréstimos contragarantia, eles “dissolvem” os activos e impedem que os bancos sejam obrigados a libertarem empréstimos ou títulos a preços de saldo. Ao anteciparem esse seguro de liquidez, os bancos podem fazer empréstimos ilíquidos a longo prazo ou deter outros activos financeiros ilíquidos.

Dado o alcance que a política monetária pouco convencional - incluindo várias formas de flexibilização quantitativa, bem como proclamações sobre o prolongamento das taxas de juro baixas - desempenha com estes papéis, isso pode justificar-se.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/uJT5gvb/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.