As eleições imperfeitas nos EUA

PRINCETON – não há dúvida de que muitas pessoas em todo o mundo, ou até uma grande maioria, suspiraram de alívio aquando da reeleição do Presidente norte-americano Barack Obama. Uma sondagem da BBC World em 21 países revelou uma forte preferência por Obama, excepto no Paquistão. A alegria à volta dos resultados das eleições não deve, no entanto, iludir-nos em relação ao seu fracasso no cumprimento de uma série de modelos de ética numa escolha democrática.

De acordo com o grupo de investigação norte-americano Center for Responsive Politics, estima-se que os custos das eleições – para o Presidente e para o Congresso, incluindo também os gastos de grupos exteriores, dos candidatos e dos seus partidos políticos – ultrapassaram os 6 mil milhões de dólares. Isso faz das eleições 2012 dos EUA as mais caras até agora realizadas.

A maior parte desta despesa consiste apenas na anulação mútua entre as duas partes opostas. Isso beneficia as agências de publicidade e a comunicação social, mas mais ninguém, e certamente não beneficia os próprios partidos ou os telespectadores que são bombardeados com anúncios, especialmente se viverem em estados que disputam calorosamente a agitação. É difícil de acreditar que, digamos, 200 milhões de euros não teriam sido suficientes para informar adequadamente o eleitorado sobre as políticas dos candidatos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/8mHtGGU/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.