O destino G-Zero da Síria

NOVA IORQUE – O G-20 concluiu as suas reuniões e discussões, que teve ao longo de um jantar, sobre o que fazer em relação às acusações de que o Presidente sírio, Bashar al-Assad, usou gás venenoso para matar mais de 1.400 membros do seu próprio povo. A França, a Grã-Bretanha, a Turquia e o Canadá expressaram vários graus de apoio ao apelo do Presidente dos EUA, Barack Obama, para a intervenção militar, enquanto que o Presidente russo, Vladimir Putin, chamou o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, de mentiroso e afirmou que as provas contra Assad são inconclusivas. A Rússia e a China insistiram que os EUA não podem agir sem a aprovação do Conselho de Segurança das Nações Unidas, onde irão vetar qualquer avanço. À margem da reunião, a União Europeia e o Papa Francisco advertiram que nenhuma “solução militar” é possível na Síria.

Por outras palavras, tudo correu exactamente como esperado. Os americanos, os franceses e outros, continuam a pressionar os russos a aceitar que o governo da Síria usou armas químicas; os russos, ansiosos por proteger o seu aliado sírio, rejeitam os indícios declarando-os como inconclusivos; e a carnificina continua. O foco da luta desloca-se agora para o Congresso dos EUA, onde uma rara coligação entre democratas liberais e republicanos isolacionistas tentará bloquear os planos do Presidente.

Aqueles que procuram fazer parar o derramamento de sangue não têm boas opções. Isso é verdade para Obama, para os europeus preocupados com as dores de cabeça políticas internas e para os líderes árabes que estão ansiosos para assistirem ao colapso do governo de Assad, mas não estão dispostos a dizê-lo publicamente.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/2oDFkJo/pt;