O Resultado Imoral de uma Teoria Moral

PRINCETON – Será sempre errado sacrificar uma vida humana inocente? Muitos defensores filosóficos da tradição Católica Romana do direito natural defendem que não há excepções a esta proibição, pelo menos se estivermos a falar sobre sacrificar intencionalmente uma vida, e directamente, em vez de ser um efeito secundário de qualquer outra acção. (Estes teóricos morais também definem “inocente” de modo a excluir combatentes inimigos, enquanto a guerra que se travar for justa.)

Quando esta perspectiva é combinada – como o é, tipicamente, nos ensinamentos Católicos – com a pretensão de que toda a descendência de pais humanos é um ser humano vivo desde o momento da concepção, a implicação é que o aborto nunca é permissível. Mas o caso de uma mulher de El Salvador de 22 anos de idade, identificada na comunicação social apenas como Beatriz, torna o carácter absoluto dessa perspectiva muito difícil de defender.

Beatriz, mãe de um jovem filho, sofre de lúpus, uma doença auto-imune, e de outras complicações. A sua primeira gravidez foi muito difícil. Em seguida ficou grávida outra vez, e os seus médicos disseram que quanto mais a gravidez progredisse, maior o risco de que a poderia matar.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/hhqGTBu/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.