O Mundo Depois de Novembro

MADRID – A 6 de Novembro, entre Barack Obama ou Mitt Romney, um deles emergirá vitorioso depois de uma esgotante campanha eleitoral, iniciando um rumo para os próximos quatro anos. A um oceano de distância, a 8 de Novembro, mais de 2.000 membros do Partido Comunista Chinês reunir-se-ão em Beijing. Aproximadamente uma semana mais tarde, os membros do Comité Permanente do Politburo sairão por ordem hierárquica, preparando-se para tomar conta de um país em crescimento com 1,3 mil milhões de habitantes.

Os dirigentes das duas maiores economias mundiais estão a mudar. Tal como o próprio mundo. O Médio Oriente, em particular, está a viver um momento de transformação intensa. Enquanto a reconstrução – tanto em sentido literal como figurado – se inicia nalgumas partes da região, países como a Síria estão em chamas. Outros, como o Irão, com a sua revolução moribunda, nunca deixaram de estar em conflito. Por entre uma economia em ruínas, o país permanece beligerante, usando a sua representação Libanesa, o Hezbollah, para lançar pelo menos um bem-sucedido voo não tripulado sobre Israel e alegadamente iniciando recentes ciber-ataques.

Como resultado, as relações entre os intervenientes regionais permanecem tensas. Depois do seu discurso nas Nações Unidas apelando a uma “linha vermelha” para o programa nuclear Iraniano na primavera ou no verão de 2013, o Primeiro-Ministro Israelita Binyamin Netanyahu convocou eleições gerais antecipadas, que potencialmente lhe poderão dar um mandato forte para agir contra o Irão. O Egipto, entretanto, está à procura do seu próprio equilíbrio, tanto internamente, com a elaboração de uma nova constituição, como em termos de política externa.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/GNNr3zb/pt;