O triunfo do medo

PARIS – Em Maio de 1981, o Papa João Paulo II sobreviveu a uma tentativa de assassinato. Trinta anos depois, Osama bin Laden foi morto pelas Forças Especiais dos Estados Unidos. Mas, olhando para o mundo de hoje, pode-se facilmente concluir que o líder inspirador, cujo credo era a injunção de Franklin Roosevelt para temer apenas “o próprio medo”, perdeu; e que os fanáticos que queriam que o medo dominasse o mundo dos “infiéis” prevaleceram.

Hoje, o medo é ubíquo e os atentados bombistas na Maratona de Boston devem ser entendidos nesse contexto, para que o ataque realce e aprofunde o nosso sentimento generalizado de insegurança.

A extensão do ataque de Boston foi, como é óbvio, muito menor do que a do ataque de 11 de Setembro de 2001. Mas os norte-americanos irão lembrar esta conspiração de produção nacional como um momento altamente simbólico: um ataque num venerável evento desportivo no Dia do Patriota (Patriots’ Day). A maratona é um evento apreciado, pois reflecte os valores pacíficos de uma sociedade democrática que procura transcender os seus desafios através da pura resistência. Será que um ataque a um símbolo com tal significado reforçará a prevalência do medo numa sociedade norte-americana que outrora foi definida pela esperança?

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/5xrtGDJ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.