Chris Van Es

A visão e a fantasia

JERUSALÉM – Israel, uma visão audaciosa que se tornou realidade, está agora a comemorar o seu 65.º aniversário com um sentimento de satisfação bem merecida pelas suas extraordinárias conquistas nacionais. Nas suas relações com o mundo exterior, no entanto, o estado judaico tem ainda um longo caminho a percorrer.

Historicamente, a experiência judaica em relações internacionais não tem sido particularmente edificante. Um estado judaico existiu apenas por curtos períodos na história do judaísmo e cometeu duas vezes suicídio político. Os motivos eram sempre os mesmos: o fanatismo político-religioso e o erro de desafiar as potências mundiais vigentes - daí a busca obsessiva do sionismo moderno por uma aliança vinculativa com uma superpotência.

O etnocentrismo está sujeito a distorcer as relações de um povo com o resto do mundo; e a doutrina do poder de Israel foi tirada das profundezas da experiência judaica, principalmente da hostilidade implacável e eterna de um mundo gentio. O papel do Holocausto como o mito constituinte da meta-narrativa sionista reforçou a tendência de Israel para enfrentar “o mundo”, uma idealização amorfa, mas imponente, com a qual os judeus travam uma disputa que não pode ser resolvida através das ferramentas tradicionais das relações internacionais.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/PFm4gKR/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.