Mais Liderança para Mais Europa

MILÃO – O debate sobre a melhoria da governação económica na zona euro está a lançar uma nova luz sobre as deficiências do sistema. Já era evidente, na altura em que foi assinado o Tratado de Maastricht em 1992, que a existência de uma união monetária sem algo semelhante no domínio orçamental seria insustentável a longo prazo. Então, essa falha fundamental foi encoberta durante a primeira década da moeda comum.

Actualmente a zona euro - com uma política monetária centralizada, gerida pelo Banco Central Europeu, em paralelo com 27 políticas orçamentais nacionais - parece estar a meter a ridículo o bom senso económico. Desde cedo que Estados importantes como a França e a Alemanha deixaram de levar a sério o Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC) da União Europeia, que deveria garantir a disciplina orçamental e a coordenação entre os Estados-Membros.

Com a introdução do euro, que impulsionou o comércio intra-europeu e diminuiu a inflação em muitos Estados-Membros, as obrigações orçamentais foram simplesmente ignoradas. O euro tornou-se rapidamente a segunda moeda mais importante do mundo e provou ser um escudo contra a turbulência financeira externa. O optimismo aumentou e a prudência fugiu - o que se traduziu na adesão prematura à zona euro de países como a Grécia, bem como no desfasamento entre o ritmo de alargamento da União Europeia e o da integração institucional.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/b4I8XNO/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.