A Erosão da Europa

BERLIM – Apenas há semanas, o pior da crise financeira na Europa parecia ter terminado. A estabilidade parecia estar a regressar. Mas as aparências provaram ser enganadoras. Um problema menor (pelos menos em escala) como o Chipre, quando combinado com um quase inacreditável grau de incompetência no seio da “troika” (a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu, e o Fundo Monetário Internacional), foi suficiente para exagerar grandemente a severidade da crise.

Embora os mercados permanecessem calmos, a crise do Chipre revelou toda a extensão do desastre político que a crise na zona euro impôs: a União Europeia está a desintegrar-se no seu âmago. A actual crise de confiança dos Europeus relativamente à Europa é muito mais perigosa do que a ansiedade renovada dos mercados, porque não pode ser ultrapassada com outra injecção de liquidez do BCE.

A antiga ordem política da Europa baseava-se na competição, na desconfiança, em rivalidades de poder e, em último caso, na guerra entre estados soberanos. Colapsou a 8 de Maio de 1945, e foi substituída por um sistema baseado na confiança mútua, na solidariedade, no estado de direito, e no compromisso. Mas, com a crise a desgastar estes alicerces, a confiança dá lugar à desconfiança, a solidariedade sucumbe aos velhos preconceitos (e mesmo a um novo ódio entre o sul pobre e o norte rico), e o compromisso é esmagado pelo ditame. E a Alemanha está mais uma vez no centro do processo de desintegração.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/T0XZ1qx/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.