Paul Lachine

Paz europeia para Israel?

MADRID – Enquanto os acontecimentos que se desenrolam no Médio Oriente captam a atenção mundial, os numerosos desafios que Israel enfrenta são largamente ignorados. Na verdade, Israel está a enfrentar um dos períodos mais perigosos da sua existência. Não são só as preocupações de longa data, como a ameaça de um Irão com armas nucleares que continua por resolver; agora, todos os vizinhos de Israel ou estão encurralados pela agitação ou lançam-se violentamente em direcção a ela. E, apesar de as conversações de paz com a Palestina, mediadas pelos Estados Unidos, terem recomeçado, elas são propensas ao fracasso.

Mas há um desenvolvimento promissor: a União Europeia, através de uma demonstração atípica de coragem, emitiu directrizes escritas a proibir a cooperação com empresas israelitas que operam na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental. Esta jogada ousada poderia pressagiar uma mudança dos papéis para a UE, no sentido de arranjar uma resolução há muito esperada para o conflito entre Israel e a Palestina.

Tal resultado poderia não chegar rapidamente, tendo em conta principalmente o caos sem precedentes que se vive nas fronteiras de Israel. No Egipto, o ambiente tenso e polarizado que se respira, após a destituição do Presidente Mohamed Morsi através do golpe militar, criou a possibilidade real de um conflito civil. Embora Israel tenha estado inicialmente apreensivo em relação a um governo islâmico na sua fronteira do Sinai, o valor da Irmandade Muçulmana – a sua capacidade de influenciar o Hamas, a força política dominante na Faixa de Gaza – manifestou-se rapidamente. Resta ainda saber qual é a natureza e a postura do novo regime militar.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/xwq84yk/pt;