Chris Van Es

Devemos viver até aos mil anos?

PRINCETON – Em que problemas devemos concentrar a investigação na medicina e nas ciências biológicas? Há um forte argumento para se combater as doenças que matam mais pessoas, como a malária, o sarampo e a diarreia, que matam milhões de pessoas nos países em desenvolvimento, mas muito poucas no mundo desenvolvido.

Os países desenvolvidos, no entanto, dedicam a maior parte dos seus fundos para a investigação, nas doenças que os seus cidadãos sofrem. É provável que este cenário continue num futuro previsível. Tendo em conta essa coacção, que descoberta importante na medicina contribuiria mais para melhorar as nossas vidas?

Se o seu primeiro pensamento for “uma cura para o cancro” ou “uma cura para a doença cardíaca”, pense novamente. Aubrey de Grey, geneticista e director da Fundação SENS e o mais proeminente defensor de todo o mundo da investigação anti-envelhecimento, argumenta que não faz sentido gastar a maior parte dos nossos recursos médicos na tentativa de combater as doenças do envelhecimento, sem combater o envelhecimento em si. Se curarmos uma destas doenças, aqueles que poderiam morrer por causa dela podem esperar sucumbir por uma outra em poucos anos. A vantagem é portanto modesta.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/ZtnyBaJ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.