A Marcha Global para a Paz

CAMBERRA – Se ansiávamos pela paz nestes tempos, o ano de 2012 não a trouxe. O conflito tornou-se ainda mais sangrento na Síria, continuou a martirizar o Afeganistão e foi frequentemente reavivado na África Ocidental, Central e Oriental. Houve vários episódios de violência causada por razões étnicas, sectárias e políticas em Mianmar (Birmânia), no Sul da Ásia e no Médio Oriente. As tensões entre a China e os seus vizinhos aumentaram no Mar da China Meridional e, entre a China e o Japão, no Mar da China Oriental. As questões relacionadas com os programas nucleares da Coreia do Norte e do Irão permanecem sem solução.

E ainda assim, muitas das irrupções que se temiam a nível nacional e entre Estados não ocorreram. A forte pressão internacional ajudou a refrear rapidamente a Segunda Guerra de Gaza. Um acordo de paz há muito procurado foi garantido para a ilha de Mindanau, no sul das Filipinas. Foram dados passos consideráveis com vista a uma paz sustentável e reconciliação em Mianmar. Não houve registo de qualquer tragédia significativa de genocídio. E, apesar da paralisia do Conselho de Segurança das Nações Unidas em relação à Síria, os Estados-Membros da Assembleia Geral da ONU deixaram claro que continuariam a aceitar de forma indiscutível a responsabilidade de proteger as potenciais vítimas de crimes atrozes em massa.

A verdadeira história foi ocultada, como sempre, pela preocupação diária dos órgãos de comunicação social a respeito do derramamento de sangue em curso: Durante as duas últimas décadas, as grandes guerras e os episódios de violência em massa em todo o mundo tornaram-se muito menos frequentes e mortais. Após o auge que se verificou no final de 1980 e muito no início de 1990, houve uma redução de mais de 50% no número de grandes conflitos, quer entre Estados quer a nível interno, no número de genocídios e de outros crimes atrozes em massa e no número de pessoas que morreram em consequência desses crimes.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/rkcXxXb/pt;
  1. China corruption Isaac Lawrence/Getty Images

    The Next Battle in China’s War on Corruption

    • Chinese President Xi Jinping knows well the threat that corruption poses to the authority of the Communist Party of China and the state it controls. 
    • But moving beyond Xi's anti-corruption purge to build robust and lasting anti-graft institutions will not be easy, owing to enduring opportunities for bureaucratic capture.
  2. Italy unemployed demonstration SalvatoreEsposito/Barcroftimages / Barcroft Media via Getty Images

    Putting Europe’s Long-Term Unemployed Back to Work

    Across the European Union, millions of people who are willing and able to work have been unemployed for a year or longer, at great cost to social cohesion and political stability. If the EU is serious about stopping the rise of populism, it will need to do more to ensure that labor markets are working for everyone.

  3. Latin America market Federico Parra/Getty Images

    A Belt and Road for the Americas?

    In a time of global uncertainty, a vision of “made in the Americas” prosperity provides a unifying agenda for the continent. If implemented, the US could reassert its historical leadership among a group of countries that share its fundamental values, as well as an interest in inclusive economic growth and rising living standards.

  4. Startup office Mladlen Antonov/Getty Images

    How Best to Promote Research and Development

    Clearly, there is something appealing about a start-up-based innovation strategy: it feels democratic, accessible, and so California. But it is definitely not the only way to boost research and development, or even the main way, and it is certainly not the way most major innovations in the US came about during the twentieth century.

  5. Trump Trade speech Bill Pugliano/Getty Images .

    Preparing for the Trump Trade Wars

    In the first 11 months of his presidency, Donald Trump has failed to back up his words – or tweets – with action on a variety of fronts. But the rest of the world's governments, and particularly those in Asia and Europe, would be mistaken to assume that he won't follow through on his promised "America First" trade agenda.