Manter a calma na Coreia do Norte

CAMBERRA – O mais recente teste nuclear da Coreia do Norte é uma má notícia, tanto para o Nordeste da Ásia como para um mundo que precisa de reduzir a sua dependência de armas nucleares. Mas o exagero internacional - com respostas que aumentam, em vez de diminuir, os ânimos e colocam a região mais perto de uma corrida às armas nucleares – tornariam as más notícias ainda piores.

“Mantenham a calma e sigam em frente” - a famosa recomendação feita pelo governo britânico aos seus cidadãos, em 1939 - é um conselho que muitas vezes se presta ao ridículo. Mas é o que tem de acontecer agora.

A acção mais recente da Coreia do Norte segue a linha comportamental que ocorreu ao longo da década passada e faz com que o Irão pareça bem controlado, em comparação. Afastou-se do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares (TNP), em 2003; resistiu a sérias negociações no quadro das Conversações a Seis estabelecidas naquele ano pelos Estados Unidos, pela China, pela Rússia, pela Coreia do Sul e pelo Japão; testou engenhos explosivos nucleares em 2006 e em 2009, transgredindo uma moratória mundial; realizou uma série de testes com mísseis cada vez mais provocatórios; ignorou resoluções e sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas; afundou um navio da Marinha sul-coreana e bombardeou uma das suas ilhas, em 2010; e manteve o fluxo constante de uma retórica beligerante.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/0sflZQW/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.