O novo modelo do nómada

MOGADÍSCIO – Uma das minhas memórias mais antigas de infância é de nadar numa pequena ravina perto de casa da minha avó em Yaaq Bari Wayne, uma acumulação empoeirada de construções com tijolos de barro amassados com areia e palha e telhados de estanho amontoadas nas planícies da região sul da Baía da Somália. Depois das chuvas Gu, a ravina transformava-se numa profunda fenda triangular no chão, cheia de água barrenta. As crianças amontoavam-se, como formigas em cima de açúcar derramado, saltando nas saliências e mergulhando nas suas profundezas escuras com gritos e uma algazarra de excitação.

Muitos eram filhos de pastores nómadas, que se mudavam para o Sul em Maio e Junho, em busca de melhores pastagens. Quando eles chegavam, cúpulas castanhas feitas de galhos entrecruzados e camadas de tapetes multicoloridos iriam aparecer como multidões de escaravelhos sarapintados na periferia da cidade.

Para mim, o nómada era uma figura romântica, parecida com o cowboy americano do faroeste. No ambiente mais duro do mundo, eles viajavam centenas de quilómetros, sobrevivendo com leite de camelo e carne seca, com todos os seus pertences amarrados no dorso de um camelo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/7RXp0yx/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.