Paul Lachine

Merkel na Terra dos Sorrisos

BERLIM – As eleições na Alemanha terminaram. Está claro quem são os vencedores e os vencidos, e a paisagem política mudou profundamente. O verdadeiro drama, porém, ocorreu não entre os principais partidos do país mas nas fronteiras do espectro político.

A Chanceler Angela Merkel celebra uma vitória clara, com a sua União Democrática Cristã (UDC) ficando pouco aquém de uma maioria parlamentar absoluta. Mas a escala do seu triunfo deve-se maioritariamente ao colapso do seu parceiro de coligação liberal, o Partido Democrata Livre (PDL), que pela primeira vez na história da República Federal Alemã não se fará representar no Bundestag.

Os liberais constituíram sempre uma parte chave da democracia Alemã do pós-guerra; agora desvaneceram-se. A responsabilidade disso recai, em primeiro lugar, sobre o PDL. Nenhum partido no governo pode dar-se ao luxo de ministros e líderes manifestamente incompetentes; Merkel só precisou de recostar-se e observar o suicídio público dos liberais no decurso dos últimos quatro anos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/1YlHfzC/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.