O que o mundo precisa dos BRICS

CAMBRIDGE - Em 2001, Jim O’Neill da Goldman Sachs criou famosamente o termo BRIC para caracterizar as quatro maiores economias emergentes do mundo - Brasil, Rússia, Índia e China. Mas, mais de uma década depois, a única coisa que estes países têm em comum é apenas o facto de serem as únicas economias que estão classificadas entre as 15 maiores do mundo (adaptado ao poder de compra), que não são membros da OCDE.

Os quatro países têm estruturas económicas muito diferentes: A Rússia e o Brasil dependem das matérias-primas, a Índia dos serviços e a China do fabrico. O Brasil e a Índia são democracias, ao passo que a China e a Rússia não o são, decididamente. E, tal como Joseph Nye escreveu, a Rússia é uma superpotência em declínio, enquanto a China e os outros (de forma menos marcante) estão em ascensão.

No entanto, num estranho caso em que a vida imita a fantasia, os BRICS - aos quatro países originais, juntou-se a África do Sul [South Africa] - formaram um grupo próprio, com encontros regulares e iniciativas políticas. O seu esforço mais ambicioso até à data é a fundação de um banco de desenvolvimento.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/TxhAHev/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.