Um Novo Banco de Desenvolvimento do Novo Mundo

NOVA IORQUE – Na conclusão da sua cimeira de Março em Durban, os líderes dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) anunciaram a sua intenção de criar um Novo Banco de Desenvolvimento destinado a “mobilizar recursos para projectos de infra-estruturas e de desenvolvimento sustentável nos BRICS e outras economias emergentes e países em vias de desenvolvimento.”

Não será demais sublinhar a importância desta decisão. Para começar, ela reflecte os enormes sucessos de desenvolvimento económico ocorridos nas últimas quatro décadas (o PIB agregado dos BRICS é agora maior que o dos países avançados, quando se fundaram as instituições de Bretton Woods) e o reequilíbrio do poder económico global que isso implica. De facto, a decisão demonstra a capacidade e o desejo de trabalhar em conjunto dos BRICS, para o seu próprio benefício e para o do mundo inteiro. Os mercados emergentes e os países em vias de desenvolvimento estão a tomar o futuro nas suas próprias mãos – numa altura em que os países ricos marcam passo, com os seus próprios problemas auto-infligidos.

Um novo banco de desenvolvimento é claramente necessário. Só as exigências infra-estruturais nas economias dos mercados emergentes e nos países de baixos rendimentos são enormes – 1.4 mil milhões de pessoas não possuem ainda acesso fiável a electricidade, 900 milhões carecem de acesso a água potável, e 2.6 mil milhões não têm acesso a saneamento adequado. Ao mesmo tempo, estima-se que 2 mil milhões de pessoas irão mudar-se para cidades durante o próximo quarto de século. E os legisladores devem garantir que os investimentos serão ambientalmente sustentáveis.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/vcutOXH/pt;