O Que Pretende a América no Egipto

PRINCETON – Tanto a Irmandade Muçulmana como a oposição liberal do Egipto criticam hoje energicamente os Estados Unidos. Isso traduz-se em dificuldades para a Embaixadora Anne Patterson, para o Secretário de Estado John Kerry, e para o Subsecretário de Estado William Burns, que visitou recentemente o Cairo. Mas é também uma prova de que os EUA estão a tentar prosseguir a política adequada.

Os EUA estão a tentar o seu melhor para apoiar não um partido específico, mas antes uma concepção de democracia liberal que promova eleições livres e justas, e um tipo de governação que respeite e inclua os pontos de vista das minorias e defenda os direitos dos indivíduos. Para continuarem neste rumo, no entanto, deverão enfrentar Israel e a Arábia Saudita.

Os jovens que há dois anos e meio lideraram a revolução no Egipto têm encarado os EUA com desconfiança, pela simples razão de estes terem apoiado, durante 30 anos, o regime do antigo Presidente Hosni Mubarak. Do ponto de vista dos EUA, a atenção do Presidente Barack Obama foi rapidamente transferida de Mubarak para o povo; mas essa mudança não foi sentida nas ruas do Cairo. Quando Mohamed Morsi, da Irmandade Muçulmana, foi eleito Presidente em 2012, muitos Egípcios assumiram que devia ter o apoio da América, porque não podiam conceber que os EUA aceitassem um resultado com o qual não concordassem.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/qUZn7aW/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.