barroso7_VCGVCG via Getty Images_covidvaccine VCG via Getty Images

O teste de preparação para pandemias

BRUXELAS – A pandemia de COVID-19 inculcou muitas lições duras. Mas a mais importante é que os surtos de doenças infeciosas representam um risco não apenas para a saúde pública, mas também para a segurança mundial. À semelhança da proliferação nuclear, do terrorismo e das alterações climáticas, também a COVID-19 mostrou que as pandemias podem debilitar rapidamente a estabilidade social e o bem-estar económico.

Esta questão pode, agora, parecer óbvia. Mas antes da crise da COVID-19, as doenças infeciosas mal figuravam na agenda de segurança mundial. Se quisermos que os esforços para mudar isso, estabelecendo novos mecanismos de financiamento e monitorização para a preparação para uma pandemia, tenham sucesso, as meias medidas não serão suficientes. Para evitar uma repetição da história, os nossos preparativos têm de refletir a verdadeira extensão do desafio. Temos de reconhecer que as pandemias representam atualmente uma das maiores – e mais prováveis – ameaças à segurança mundial.

A prevenção de futuras pandemias exigirá não apenas o mesmo nível de investimento de outras ameaças à segurança mundial, nas quais são gastos biliões rotineiramente, mas também uma forma totalmente diferente de pensar sobre a segurança mundial. A pandemia representa uma nova forma de crise globalizada, causada e exacerbada pela interligação do mundo moderno.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading and receive unfettered access to all content, subscribe now.

Subscribe

or

Unlock additional commentaries for FREE by registering.

Register

https://prosyn.org/RFmQfUApt