Beer bottles on grassy lawn

Grandes poluidores, paguem

JACARTA – No início deste ano, em Mianmar, chuvas torrenciais provocaram deslizamentos de lamas que deitaram por terra centenas de casas e causaram uma destruição maciça de culturas. Mais de 1,3 milhões de personas foram afectadas, e mais de 100 morreram. No Vietname, os mesmos dilúvios provocaram o transbordo de fossas de lamas tóxicas provenientes de minas de carvão, cujo conteúdo se alastrou por várias aldeias, até à Baía de Ha Long (Património da Humanidade), causando a morte a 17 pessoas. A crescente frequência e intensidade destes fenómenos meteorológicos torna mais urgente do que nunca a necessidade de implementar medidas de atenuação das alterações climáticas e de adaptação às mesmas.

Que não restem dúvidas: Estes fenómenos são, pelo menos em parte, resultantes das alterações climáticas. Como sublinha o climatologista Kevin Trenberth, do Centro Nacional de Investigação Atmosférica dos EUA, hoje em dia, "todos os fenómenos meteorológicos são afectados pelas alterações climáticas, porque o ambiente em que ocorrem é mais quente e mais húmido do que o era no passado".

Em certa medida, os responsáveis pelas negociações internacionais sobre o clima reconhecem este facto. Os efeitos sofridos pelas populações do Mianmar e do Vietname são considerados custos inevitáveis da falta de adaptação às alterações climáticas, que os responsáveis classificam como "perdas e danos". No entanto, esta terminologia não expressa a verdadeira dimensão das consequências, em particular o seu impacto nas vidas humanas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/luSzc1U/pt;