ghosh45_Karen DuceyGetty Images_food prices increase Karen DuceyGetty Images

As altas de preços que importam para os pobres

NOVA DÉLI – A pergunta sobre como melhor controlar a inflação está de volta à agenda de políticas econômicas, e as opiniões sobre como fazer isso se dividem. A visão predominante enfatiza a necessidade de políticas monetárias mais apertadas e vê taxas de juros maiores e liquidez de provisões reduzidas como justificadas, mesmo que elas amorteçam a recuperação econômica em andamento em vários países hoje. Outros argumentam que a inflação atual é transitória, um reflexo de gargalos de abastecimento temporários e mudanças no mercado de trabalho, e que em breve irá se corrigir.

Nos países ricos, legisladores ainda confiam em grande parte nas ferramentas macroeconômicas para enfrentar a inflação. Mas um conjunto de alta de preços é diferente dos outros: a inflação dos produtos alimentícios. Não só este fenômeno tem um impacto direto muito maior na vida das pessoas, especialmente nas economias em desenvolvimento; ele também reflete causas mais complexas, e cuidar dele de modo eficaz requer um grupo de estratégias completamente diferente. Infelizmente, os governos não estão discutindo-as o suficiente.

Esta negligência é profundamente perturbadora. No fim de 2021, o Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) estava em seu maior nível em uma década e próximo de seu pico anterior de junho de 2011, quando muitos alertavam para uma crise alimentar mundial. Não só isso, a alta do ano passado foi súbita: de 2015 a 2020, os preços dos alimentos têm ficado relativamente baixos e estáveis, mas dispararam a uma média de 28% em 2021.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading and receive unfettered access to all content, subscribe now.

Subscribe

or

Unlock additional commentaries for FREE by registering.

Register

https://prosyn.org/sI73sWgpt