A Tragédia Balcânica da Síria

BERLIM – As doutrinas pacifistas poderão afirmar o contrário, mas combinar a diplomacia com a ameaça da força militar é uma táctica altamente eficaz, como se viu agora na Síria. Foi a credibilidade da ameaça de intervenção militar pelos Estados Unidos que pareceu levar o Presidente Sírio Bashar al-Assad a aceitar um acordo mediado pelos seus principais aliados, a Rússia e, menos directamente, o Irão. Assad parece agora preparado para desistir das suas armas químicas em troca da sua permanência no poder. Mas o que acontecerá à credibilidade da América, e à do Ocidente, se o acordo não for respeitado?

O acordo conseguido pelos EUA e pela Rússia provocou um alívio geral na maior parte das capitais Ocidentais, onde os líderes políticos simplesmente não estão preparados para uma intervenção militar, mesmo que o governo da Síria esteja a assassinar o seu próprio povo com gás venenoso (a este respeito, o acordo equivale a uma confissão por parte de Assad). Depois de uma década de guerra no Afeganistão e no Iraque, o Ocidente preferiria ficar em casa; nem os EUA nem o Reino Unido – nem a maior parte dos outros membros da NATO – pretendem envolver-se num outro conflito no Médio Oriente que não pode ser resolvido.

Na verdade, só existem más opções para os EUA na Síria. A intervenção militar não tem um ponto final visível e apenas aumentaria o caos. Mas permanecer à margem produzirá quase o mesmo resultado e abalará dramaticamente a credibilidade da América numa região assolada pela crise, com consequências sérias para o futuro. Além disso, a utilização de armas químicas convida à escalada.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/21YFFx4/pt;