Unir a Síria

BERLIM – Os activistas da oposição síria manifestam frequentemente o seu desapontamento em relação ao nível de apoio internacional que recebem. Apesar da última reunião dos chamados "Amigos da Síria" (um grupo de países que reúne periodicamente para discutir a situação da Síria fora do Conselho de Segurança das Nações Unidas) ter trazido mais ajuda financeira, o grau de empenho externo genuíno em relação à sua causa continua a ser questionável.

Os Estados Unidos, a União Europeia, a Turquia e a maioria dos países árabes concordam que o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, deixou de ser legítimo. Intensificaram as sanções contra o governo e forneceram diferentes tipos de apoio a grupos de oposição. Alguns estados forneceram armas automáticas, munições e lança-granadas-foguete. Mas o fornecimento de armas acabou e os pedidos dos rebeldes no sentido de conseguirem armas antiaéreas permanecem sem resposta.

Além disso, nem os vizinhos da Síria, nem os governos ocidentais estão dispostos a levar a cabo uma intervenção militar. Na verdade, apesar das manifestações de solidariedade, recusaram-se a estabelecer uma zona de protecção para os civis sírios ao longo da fronteira dos Estados vizinhos, ou a impor uma zona de exclusão aérea para aviões militares sírios. Como resultado, os grupos de oposição sírios acreditam que têm de enfrentar sozinhos o regime brutal de Assad.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/11QmdKl/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.